Análise geral da plataforma de e-commerce TRAY

A Tray, unidade de e-commerce do Grupo Locaweb, possui o ecossistema mais completo em sua categoria, oferecendo uma plataforma com mais de 300 integrações, atendimento personalizado e conteúdos que possibilitam o crescimento do PME.

É digitalizando pequenas e médias empresas que a Tray vem crescendo mês a mês. O volume bruto de mercadorias (GMV, na sigla em inglês) do segmento de e-Commerce do grupo registrou crescimento de 90,4% no terceiro trimestre, em comparação com o mesmo trimestre do ano passado. O desempenho é mais que o dobro dos 43,5% de crescimento, apresentado pelo mercado brasileiro em geral no mesmo período (fonte: Ebit)

Um fator que colabora para o crescimento da Tray é o investimento em novas tecnologias e serviços de qualidade. Para isso, conta com um time de especialistas em desenvolvimento e inteligência em vendas, além de atendimento diferenciado.

Hoje, a unidade oferece mais de 328 integrações com market-places, operadores logísticos, softwares de ERP, plataformas de atendimento, comparadores de preço, e-mail marketing, análise de risco, meios de pagamento, publicidade, inteligência e vendas.

Listamos 9 diferenciais da plataforma Tray que não podem faltar de jeito nenhum no seu e-commerce.

ESTATÍSTICAS DE PRODUTOS COMPRADOS POR CLIENTE

O relatório mostra os produtos que cada cliente comprou. Com estes dados você pode planejar ações de marketing.

PRODUTOS NÃO FINALIZADOS

Fornece um relatório dos produtos abandonados no carrinho. Este recurso permite analisar qual o problema dos produtos abandonados no carrinho e realizar mudanças com o objetivo de normalizar as vendas.

RECEBIMENTOS DO DIA

Exibe detalhes do faturamento para controle financeiro diário da loja virtual.

RESULTADO ECONÔMICO MENSAL

O painel administrativo da loja mostra seus lucros por período, considerando os custos de produto e frete.

ESTATÍSTICAS DE ACESSOS DA LOJA

Saiba quais são os produtos e as categorias mais visitadas com este relatório que mostra todos os acessos à sua loja, visita a visita.

VENDAS POR LOCAL

Fornece relatório de vendas por quantidade ou por volume de cada local. Com ele você consegue mensurar vendas geradas pela sua loja e demais marketplaces como Mercado Livre, Extra, Walmart, etc.

PROJEÇÃO DE VENDAS COM BASE EM DADOS HISTÓRICOS

Você pode gerar relatórios de vendas passadas com o objetivo de projetar vendas futuras, verificando produtos com mais ou menos giro e auxiliar no controle de compras e estoque

PRODUTOS CADASTRADOS

Exibe relatório de todos os produtos da sua loja, permitindo que você escolha vários filtros, como disponibilidade, destaque, novidade ou promoção.

CUPONS DE DESCONTO

Esse relatório demonstra para o usuário todos os cupons de desconto fornecidos dentro de um determinado período. A listagem obtida informa o código e data do pedido no qual o cupom foi utilizado, o nome do consumidor final beneficiado, o valor total da compra, o nome atribuído ao cupom de desconto e o valor do abatimento proporcionado pelo cupom. É uma importante ferramenta para mensuração e análise do retorno e eficácia das promoções com cupom e verificação de clientes sensíveis a esta estratégia.

Separamos os principais pontos que devem ser observados para o sucesso das lojas física e virtual. Continue na sequência e confira!

Segurança

Você deve conhecer os procedimentos necessários para manter a integridade física e patrimonial dentro do estabelecimento comercial. E certamente conhece os procedimentos necessários para manter a integridade física e patrimonial dentro do estabelecimento comercial — sua, de seus colaboradores e dos clientes durante as compras. O mesmo cuidado deve existir no meio virtual.

Acontece que, para montar um e-commerce, o empresário precisa investir em recursos antifraude e pacotes de segurança virtual, como SSL (Secure Socket Layer) e certificação PCI DSS. Estude a fundo esses protocolos ante de montar um e-commerce.

Atendimento

Ambos os sistemas de vendas devem priorizar a qualidade do atendimento. No caso dos e-commerces, o mais recomendado é montar um sistema omnichannel, que integre os canais e ofereça suporte onde o consumidor desejar, seja na própria plataforma, e-mail, redes sociais ou mesmo na loja física.

Logística

A ideia é de que o e-commerce amplie o alcance do negócio para larga escala. Por isso, será preciso montar um esquema para atender a essa demanda, incluindo uma gestão de estoque mais eficiente e automatização no sistema de pedidos.

A empresa terá que lidar com uma nova variável também, que é a entrega, geralmente com amplitude nacional. Além do sistema de postagens via correios e transportadoras, é possível acrescentar a funcionalidade de remessa por meios alternativas, como a entrega rápida por motoboy, por exemplo, dando poder de escolha ao cliente.

Legislação

Ambos estão sujeitos às regras do Código Brasileiro do Consumidor, com o adendo de que os negócios virtuais precisam também estar de acordo com a lei do e-commerce, em vigor desde 2013.

Para complementar a regulamentação do setor, o governo brasileiro aprovou em 2019 a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que, além de delimitar a forma de armazenamento e possível divulgação de informações do consumidor, penaliza más práticas, como o envio de spams e a captura de leads sem autorização prévia.

As diferenças entre e-commerces B2B e B2C

Além das diferenças entre os comércios físico e virtual, também existem particularidades no modelo de negócios adotados, se é vendas para empresas ou para o consumidor final — também conhecidos como B2B e B2C. Ainda que esses dois termos sejam bastante conhecidos, eles vêm conquistando ainda mais importância com a consolidação do comércio eletrônico.

Conheça as principais diferenças entre esses dois tipos de e-commerce!

B2B

Abreviação para Business to Business, B2B significa negócios entre empresas. Quando uma companhia adquire insumos ou matérias-primas de outra, por exemplo, está executando uma transação B2B.

A negociação B2B mais comum é entre empresas e fornecedores. Porém, distribuidores, importadores e revendedores também fazem parte dessa categoria. Nesse sentido, as compras podem envolver tanto a fabricação de produtos quanto a revenda direta.

B2C

Já o comércio eletrônico Business to Consumer está atrelado às transações feitas entre empresas e seus clientes finais, pessoas físicas. A loja online é um bom exemplo, mas também é necessário incluir prestadores de serviços.

Vale citar que diversas marcas podem atuar tanto no mercado B2B quanto no B2C, o que é bastante promissor. Para isso, elas devem criar estratégias variadas de gestão, precificação e marketing. Afinal, cada segmento conta com demandas, características e critérios distintos.

Vantagens e desvantagens do modelo de lojas virtuais:

A entrada no sistema de vendas via e-commerce é crescente, haja vista a competitividade no setor de varejo e a possibilidade que ele dá ao empresário de ampliar seu market share, alcançar novos públicos e tornar seu sistema de vendas escalável.

Ainda que contenha muitos benefícios, o modelo também apresenta alguns pontos de atenção que devem ser levados em consideração.

Aspectos positivos

  • autonomia para escolha de produtos, layouts e funcionalidade da loja;
  • flexibilização de tempo, sem precisar de horários para abrir e fechar o negócio — sua loja continua funcionando e vendendo 24h por dia e 7 dias por semana;
  • baixo investimento;
  • possibilidade de alcance nacional e internacional.

Pontos de atenção

  • grande estoque para atender ao volume de pedidos;
  • necessidade de manter um mix de produtos conforme as tendências de consumo;
  • forte concorrência;
  • possíveis atrasos no sistema de entregas.

Sistemas e plataforma integrados

Para operar no molde e-commerce com excelência, a empresa precisa investir em um sistema de gestão integrada — conhecido como ERP — e em uma ferramenta CRM que aprimore o relacionamento com o cliente. Ambas devem ter integração com a plataforma do e-commerce.

E-mail

Ligado à estratégia de inbound, o e-mail marketing deve ter seus envios automatizados e programados para atender a diferentes jornadas de compra do cliente. Além disso, o canal é fundamental para responder a dúvidas, remeter boletos e cobranças, rastrear pedidos, etc.

Sistema FAQ e política de privacidade

Enquanto o primeiro serve para agilizar o atendimento e educar o público sobre as dúvidas mais frequentes, o segundo atende às normas do respeito ao consumidor e é um dos critérios de ranqueamento do Google. Não há como montar um e-commerce sem eles.

Interessado em saber mais sobre o assunto? Acesse o portal da APAGE e conheça todas as possibilidades que você pode ter para abrir o seu e-commerce. https://www.apage.com.br/quem-somos/

Antes de entrar no comércio eletrônico, consulte um profissional ou agência especializada.